em ,

5 lutas para assitir do G1 Climax 32

Tendo em vista que aconteceu a uma semana a final do mais famoso e prestigiado torneio de luta livre do Japão, talvez até do mundo, venho aqui elencar algumas lutas que valem a pena assistir do G1 Climax 32 com algum contexto em cada uma.

Caso você esteja em fase de expansão dos conhecimentos sobre luta livre e ainda não saiba sobre o G1 vou contextualizar um pouco. Sendo criado em 1991 o torneio tem o intuito de ser uma plataforma para os maiores nomes da divisão Heavyweight competirem buscando um contrato que dá direito a luta pelo principal título da empresa e a partir de 2012 o contrato garante que essa luta seja a principal luta do Wrestle Kingdom, evento mais importante da empresa que acontece dia 4 de janeiro. O torneio geralmente é dividido em 2 blocos onde os lutadores se classificam através do sistema de pontos corridos e os vencedores de cada bloco se enfrentam na final. Para quem é mais familiarizado com a WWE é como se o prêmio do G1 fosse o equivalente ao prêmio do Royal Rumble, mas com duas diferenças, sendo elas que o contrato é representado por uma maleta (tal qual o do Money in the Bank) e o direito ao contrato é defendido, como se fosse um título. Kazuchika Okada o atual campeão do torneio, e vencedor do torneio do ano passado (tendo vencido o torneio 4 vezes no total) inovou e recusou a maleta com o contrato, optando por utilizar o aposentado cinturão de campeão Heavyweight v4 até o momento da luta no Wrestle Kingdom.

Dito isso, o torneio que esse ano teve um formato diferente, em comemoração aos 50 anos da New Japan Pro Wrestling o torneio contou com 28 participantes divididos em 4 blocos, manteve-se o esquema de pontos diretos, mas desta vez levando a uma semifinal em eliminatória e posteriormente a final.

Agora a coisa aperta, depois de assistir a esses 20 programas em que decorreram o torneio (1 mês em tempo corrido) venho aqui elencar 5 lutas que, na minha opinião, valem a pena assistir.

5 – Shingo Takagi vs YOSHI-HASHI 

Com o formato do torneio adotou esse ano, YOSHI-HASHI teve sua primeira luta na QUARTA noite do torneio, onde enfrentou Shingo Takagi que vinha de uma derrota. Tendo passado maior parte de sua carreira como um lutador de duplas YOSHI-HASHI entrou como azarão na luta, mas surpreendeu como atuação de gala dando bastante trabalho a Shingo Takagi. Um ponto comentado Tanto por Takagi quanto pelo time de comentaristas é o fato que o finalizador de YOSHI-HASHI (Karma) e um dos golpes assinatura de Shingo (Made in Japan) são o mesmo movimento (Pumphandle half nelson driver).

4 – Hiroshi Tanahashi vs KENTA

Não tendo condições de se classificar para a próxima parte do torneio, KENTA chegou em sua última luta podendo arruinar as chances de Hiroshi Tanahashi avançar. Essa luta poderia representar uma vingança para KENTA que passou 6 meses se recuperando de lesões em várias partes do corpo e Tanahashi foi seu último oponente numa luta sem desclassificações que valia o título IWGP U.S.A Heavyweight num rivalidade que se estendeu pelo final do ano e foi encerrada no maior evento da empresa, o Wrestle Kingdom.

3 – Hirooki Goto vs Hiroshi Tanahashi 

Na 15ª noite tivemos um encontro de duas figuras já estabelecidas da NJPW e que já tiveram várias lutas anteriormente e, ironicamente, tiveram seu 15º nessa noite (com um placar de 11-4 em favor do Às do Universo), numa luta que entregou o mais puro storytelling do puroreso da NJPW, a sequência final da luta é de deixar os fãs grudados na tela.

2 – Shingo Takagi vs Will Ospreay

A decisão mais difícil que tomei escrevendo esse ranking, tendo sido minha luta favorita em todo o torneio Shingo e Ospreay entregaram uma luta EXCELENTE em mais um encontro desses dois lutadores que se enfrentam desde a divisão de Juniors da NJPW onde Will Ospreay foi o PRIMEIRO lutador a derrotar Shingo Takagi por pinfall. As lutas entre os dois foram para divisão Heavyweight e já envolveram até o maior cinturão da empresa, o IWGP World Heavyweight Championship.

1 – Kazuchika Okada vs Will Ospreay

Ocupando o primeiro lugar temos a grande final do G1 Climax 32, outra luta carregada de história. Ospreay era filiado da CHAOS, facção que o Okada lidera, mas ao se graduar para a divisão Heavyweight ele trai a stable e funda seu próprio grupo. Enquanto membro da CHAOS Ospreay tratava e chamava Okada de aniki (irmão mais velho em tradução literal). Kazuchika Okada é a montanha a ser superada por Ospreay para cimentar seu legado como um dos mais importantes estrangeiros na NJPW. Com um histórico de 7 lutas entre os dois, Okada tem 6 vitórias sobre Ospreay e na final do G1Climax 32 a história se manteve, com uma vitória de Okada em uma luta onde o storytelling fluiu muito bem tanto na exploração das lesões que Ospreay sofreu, e na motivação em ganhar o maior torneio da empresa e fazer isso derrotando aquele que é seu maior desafio a ser superado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…