em ,

Esgoto Extremo #18 – Parada no Tempo

A WWE cada vez mais se apega a elementos do passado e esquece de construir seu futuro. Será que ela irá mudar a tempo?

Com a iminente estreia da AEW, era esperado que a WWE fosse realizar algumas mudanças. Palavras dos bastidores mostram que a empresa dos McMahon considera a federação de Cody e companhia um potencial adversário, algo que a ‘E nunca considerou expressamente desde que a WCW fechou as portas. Entretanto, nada mudou até o momento. O booking segue sem uma direção concreta e sem empolgar, e quando parecia que Brock Lesnar finalmente ficaria longe por um bom tempo, ele retorna ganhando a Money in The Bank Match. Soma-se isso a  invenção do Wild Card Rule, uma regra que destrói todo o conceito da divisão do plantel em dois, e vemos dois shows medíocres e com poucos momentos realmente interessantes.

Kofi Kingston, Seth Rollins, Becky Lynch e Bayley, os atuais campeões principais, não possuem culpa alguma. Aliás, pode-se dizer que são 4 dos melhores wrestlers de todo plantel. Mas o marasmo causado por um homem que quer que os shows agradem a ele e apenas a ele fazem com que, seja lá qual for o lutador que esteja com os cinturões na mão, nada importa.

Becky foi o último caso de lutadora de que teve um grande pico de popularidade súbito, e que a WWE pouco soube aproveitar. Beleza, ela é a campeã, e teve um momento marcante na Wrestlemania. Mas sua storyline perdeu fôlego no meio do caminho, com decisões que não fizeram lá muito sentido. Por exemplo, para que fazer a lutadora mais quente perder o cinturão para Asuka, se ela recuperaria o cinturão alguns meses depois depois de Asuka ficar sem nenhuma storyline decente? Entendo que fazer Becky perder o cinturão era uma desculpa para a mesma disputar o Royal Rumble, mas porque não fazê-la ser a campeã do Smackdown e entrar no Royal Rumble para vencer e ter um motivo para lutar contra Ronda Rousey? É dito que na WWE derrotas e vitórias não importam mais, mas independentemente do que a WWE pensa, o público sente quando há derrotas como essa de Becky para Asuka. Poderia ter sido uma storyline ainda mais grandiosa, e Becky poderia ter alcançado um patamar ainda maior.

Antes de Becky, quem tivemos com um momentum grande na WWE que não foi bem aproveitado? Braun Strowman, é o primeiro nome em minha cabeça. O gigante teve um período de grande interesse do público, parecia que tinha tudo para ganhar o cinturão e se estabelecer como o grande big Guy da nova geração… e aí surge um Brock Lesnar no caminho, e ele agora não tem muita direção. Braun poderia até não manter a popularidade que vinha tendo desde a época da rivalidade com Roman Reigns, mas é mais um caso de a WWE não sabendo aproveitar um elemento quente para manter o interesse do público. A prova dessa falta de capacidade é que Braun, antes um produto quente, lutou no pré-show da última Wrestlemania.

O dinheiro dos petrodólares Árabes é bom e ruim. Bom para a WWE, que teve o maior faturamento de sua história, e ruim para os fãs, pois permite que a WWE desperdice boas oportunidades como as citadas, e mantenha o produto como um todo num patamar medíocre. É absurdo, pois o plantel atual da WWE é possivelmente um dos melhores de toda a sua história em termos de talento nato.

Se a WWE não abrir o olho, eventualmente vai pagar o preço. A AEW está vindo aí, e Goldberg, Undertaker, John Cena e Brock Lesnar não durarão para sempre. Criar novas estrelas com o patamar desses dois é algo urgentemente necessário. Braun, Becky, Daniel Bryan, a própria Shield. Talentos que poderiam fazer a popularidade da empresa crescer e o público terminar os shows querendo mais. A WWE se prende a estrelas do passado, e agora trouxe de volta o conceito de um cinturão 24/7, altamente popular na época da Attitude Era, numa tentativa de trazer interesse público. Pois bem, o cinturão é uma ideia interessante, mas serve apenas para movimentar a parte de baixo do plantel. Isso é pouco, e mostra que ao invés de criar novas estrelas, a WWE se prende demais ao passado. Com a audiência caindo, uma hora vão acabar as estrelas do passado que podem ser usadas, e aí a WWE ficará num limbo, pois não criou novos ícones. Mas para Vince McMahon, o que importa é contar o dinheiro e que o show seja reescrito até ele achar engraçado…

 

Por Rodrigo Peret

Redator e colunista do Wrestlemaníacos. E ídolo do Izac Luna.

Um comentário

Deixar um comentário

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *