em

Na Teia do Aranha #98 – Vidas Diante de Vidas

Salve, povo!

Em mais um texto nesse espaço, trago um pensamento causado sobre mais uma morte no universo da luta livre e como que o que tanto amamos é muito mais do que uma “lutinha de mentira”.

Leia, reflita, comente e sugira próximos temas para este espaço.

Forte abraço e valeu!

Vidas diante de Vidas

No último dia 17 de outubro, o lutador mexicano independente Luiz Ángel Salazar, conhecido como Principe Aereo, faleceu, com a idade de 26 anos, por um ataque cardíaco durante uma luta pela empresa Mexa Wrestling, na Arena San Juan Pantitlan, na Cidade do México. Relatos informam que o ataque fulminante ocorreu após receber dois tapas no peito, em um movimento típico de luta. E, mesmo tendo recebido os primeiros socorros, não foram suficientes para que viesse a óbito.

Pensar em mortes como essa (que, pelas informações liberadas nesse caso, se tratou de uma fatalidade), podemos pensar em inúmeros casos, como de Perro Aguayo Jr., Oro, Owen Hart e Pirata Alma Negra. E, independente de quem tem culpa ou não, automaticamente, esses fatos trazem à minha mente as inúmeras críticas que a luta livre profissional recebe por pessoas, no mínimo, ignorantes, sobre ser uma “luta de mentira”, que “não machuca”, que “é tudo marmelada”, dentre outras coisas.

Quem conhece um pouco de pro wrestling em suas entranhas, sabe que o preparo físico e mental acompanham a todos de forma intrínseca durante toda a sua carreira no esporte de entretenimento. Não há condições de entrar em um ringue para se apresentar em um evento de luta livre profissional sem o mínimo preparo. Para entrar lá, é preciso muito suor, lágrimas e, em alguns casos, sangue, ossos, músculos e juntas. A dedicação é fundamental e não há nada que possa negociar esses aspectos.

Espanta saber que, em pleno ano de 2020, ainda presenciamos pensamentos de pessoas que não acreditam que a “luta livre machuca”. A luta livre dói. A luta livre lesiona. A luta livre pode causar a morte. Mas a paixão pela luta, pelo esporte e pelo entretenimento é maior que todos esses obstáculos, e tudo acaba sendo superado para que o público grite, vibre, reaja e ame o que está sendo feito. Então, toda vez que você estiver assistindo, in loco ou virtualmente, um show de pro wrestling, tenha a certeza de que há muito mais do que um simples encenar diante dos nossos olhos, mas vidas que querem entreter vidas.

Por Joao Aranha

Gosto de lutinha a um tempo. Escrevo sobre lutinha a um tempo. Comentei lutinha na TV por um tempo. Ídolo do Rato e do Izac Luna nas horas vagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *