em , , , ,

PuroWrestling #1 – Power Struggle 2020 Review

Olá, bem-vindos ao “PuroWrestling”, espaço semanal em que eu, Micael Giovanny, falarei sobre Puroresu, mas sem deixar de lado o wrestling americano. Para começar, decidi dar minha opinião sobre os combates do “Power Struggle”, evento realizado pela NJPW no dia 7 de novembro, em Osaka. Sem mais delongas, vamos aos combates!

No Corner Pads Match for the Provisional KOPW 2020 Trophy

Zack Sabre Jr. Vs Toru Yano ©

De longe a luta mais fraca do evento. Eu entendo a popularidade e Yano e o quanto Gedo confia nele, mas é difícil de engolir o atual Yano com uma luta acima dos 5 minutos. Tudo bem que o evento precisava de maior tempo nas lutas já que os cards estão mais enxutos, mas essa foi a pior solução encontrada. Poderiam muito bem ter colocado esta match em um dos dias do “Road to Power Struggle” e colocado BUSHI e Takahashi contra Desperado e Kanemaru no “Power Struggle” em si.

Zack merecia mais em um grande evento e, só não chega ao Tokyo Dome sem moral por ainda ser Tag Team Champion. Um “title” bizarro, numa luta chata e que não acrescentou em nada para ambos os wrestlers.

Nota: *

NEVER Openweight Championship Match

Shingo Takagi vs Minoru Suzuki ©

Pra mim, luta da noite! E disparada! Pra fechar a trilogia deste ano com chave de ouro, Takagi e Suzuki elevaram sua brutalidade ao máximo, para a tristeza de seus corpos e alegria dos fãs. Os 2 conseguiram fazer uma luta de 19 minutos parecer ter 10 minutos a mais, não por enrolar, mas pelo tanto que fizeram no ringue (e fora dele) e qualidade apresentada.

São desses tipos de luta que o NEVER Openweight title precisa para ser elevado, o problema é a “batata quente” em que o belt se tornou. A probabilidade de Takagi perder o título já no Wrestle Kingdom já que, desde sua criação, o belt nunca foi defendido com sucesso no Tokyo Dome e, com a perspectiva de alguns títulos não mudarem de mãos, o NEVER Openweight deve mais uma vez ter um novo dono no evento.  O adversário de Takagi ainda não foi revelado, mas não duvido que tenhamos Jeff Cobb, que venceu o atual campeão no G1 em um grande combate. Já Suzuki deve acabar lutando pelos títulos de trios, infelizmente.

Nota: ****1/2

Kazuchika Okada vs Great-O-Khan

Quando você acha que nada poderia ser tão ruim quanto a luta de abertura, Gedo nos presenteia com esta pérola. O Booking foi terrível, tendo fórmula total de um combate nível “Roman Reigns 2015-2019”, uma decisão estúpida que não mudou em nada a imagem de Okada, apenas deixou Khan parecendo mais fraco.

Porém, a culpa não é toda do booking. Okada estava nitidamente pouco se importando com a luta e nem se esforçou muito. Ao menos para responder ao desafio de Ospreay, ele pareceu bem mais animadinho.

Nota: *1/4

IWGP United States Championship Challenge Rights Certificate Match

Hiroshi Tanahashi vs KENTA ©

Posso estar enganado, mas acredito que Tanahashi tenha se tornado no lutador que mais vezes enfrentou KENTA na NJPW e, sem surpresas, por isso é o que consegue ter os combates mais interessantes com o membro do “Bullet Club” na minha opinião. Dá pra ver já a química entre os dois e como o combate flui mais do que com os outros adversários de KENTA. Neste caso, a história era mais focada no ódio que ambos sentiam um pelo outro, o que deixou o a match muito mais corrida que os antigos encontros entres os 2, mas sem deixar de lado o wrestling mais clássico e técnico. Foi uma combinação excelente.

Já no final, os 2 já não queriam saber de pinfalls, mas só se importavam em fazer seu oponente desistir, o que deixou o quesito “ódio” ainda mais claro na luta, deixando um final violento e perfeito para o fim desta feud neste ano. Digo isto pois acredito que mesmo com KENTA ainda tendo o contrato, caso Moxley defenda seu título no Tokyo Dome e derrote o japonês, ele deve desafiar Tanahashi para um combate no segundo dia do Wrestle Kingdom ou em algum dos “New Beginning” e, caso Tanahashi vença o título, KENTA com certeza será um dos primeiros na fila para uma oportunidade de conquistar o belt.

Nota: ****1/4

Tokyo Dome IWGP Heavyweight and Intercontinental Championships Challenge Rights Certificate Match

Jay White vs Kota Ibushi ©

Terceira luta entre os dois neste ano e, provavelmente a “mais fraca”, o que não significa que não foi uma grande match. Pelo contrário, até acho que foi a com maior intensidade entre os 2, tanto que não passou dos 20 minutos. O maior problema continua sendo a ajuda que White recebe de Gedo, o que tem que me levar a comparar com o antigo líder do Bullet Club, Kenny Omega. Omega se confirmou como uma verdadeira “ameaça” a Okada quando começou a vencer suas lutas de forma limpa, sem a ajuda de ninguém, o contrário de White neste momento. Todos sabemos da capacidade e da habilidade de White, mas isto muitas vezes fica apagado pela forma com que o “Switchblade” vence suas lutas.

Ibushi, por outro lado, continua sendo construído como um novo “underdog”, o que acabou de ser feito com Naito e não acho que deveria ser repetido. Acaba se tornando em algo saturado e já podemos perceber que SANADA será o próximo alvo deste booking. Se o objetivo era fazer com que Naito enfrentasse tanto Ibushi quanto White, então que fizessem o britânico vencer o G1 e deixassem Ibushi no mesmo bloco que Naito, derrotando-o e desafiando-o no Tokyo Dome.

Sinceramente, deixaram muito em aberto o que acontecerá no próximo Wrestle Kingdom. Pode haver uma dupla surpresa, como os títulos mudando nas 2 noites; com Ibushi finalmente deixando de ser o underdog; com White se tornando no primeiro heel a vencer um main event do evento na história, ou Naito se consagrando como o maior e mais popular nome da empresa nestes últimos 2 anos. Uma coisa é certa: com a responsabilidade de ser o 2º estrangeiro na história a estar no evento principal do Wrestle Kingdom, White tem que lutar sem ter ajuda pois, mesmo que seja derrotado, sairá com uma moral maior do que nunca e se estabelecerá como o maior top heel atual no wrestling, ao lado de Chris Jericho.

Nota: ****

IWGP Heavyweight Championship and IWGP Intercontinental Championship Match

EVIL vs Tetsuya Naito ©

Se ano passado tivemos SANADA vs Okada até não aguentarmos mais, em 2020 foi a vez de Naito vs EVIL. Assim como achei de SANADA no ano passado, não é que EVIL não mereça oportunidades, mas Naito ter defendido os títulos em 2 de suas 3 defesas contra o mesmo wrestler, mostra uma preguiça de Gedo no booking. Eu sei que a pandemia complicou várias coisas e que Naito provavelmente defenderia os belts contra White no Madison Square Garden, mas poderíamos muito bem ter Tanahashi ou Goto desafianto o atual campeão, para que o reinado de Naito tivesse mais brilho.

Quanto ao combate em si, não conseguiu superar o encontro entre os 2 no G1, mas ambos os lutadores conseguiram entregar bem a história, com Naito desprezando seu ex-companheiro de stable, e EVIL desesperado em provar a qualquer custo de que é superior ao seu antigo líder. A evolução do “King of Darkness” é sensacional ao longo destes anos. Muitos falam sobre como SANADA cresceu, mas ele sempre teve um grande talento, enquanto EVIL somente teve alguns momentos para se provar. Mas, desde o G1 do ano passado, EVIL conseguiu se consolidar como um dos principais nomes da empresa, chegando ao ponto de estar no cartaz do G1 deste ano, uma honra para qualquer wrestler.

Tanto o campeão como o desafiante fizeram o “feijão com arroz”, sem nada de extravagante (já que as intervenções já eram esperadas), mas o suficiente para que entregassem um combate bem movimentado em com momentos mais violentos, devida a story criada ao longo deste segundo semestre. Já sabemos o que espera Naito no Tokyo Dome, a dúvida que fica no ar é o que acontecerá com EVIL. Estão deixando bem óbvio que haverá, mais uma vez, uma “guerra civil” dentro do “Bullet Club” entre White e EVIL, podendo começar até já no dia 5 de janeiro com a eventual vitória ou derrota do britânico. O que devemos ter é EVIL enfrentando algum forte nome em uma singles match, até para que não enterrem todo o momento do wrestler numa luta pelos títulos de trios.

Nota: ****1/4

E você, o que achou do evento? Quais são suas perspectivas para o Wrestle Kingdom? Semana que vem eu volto para falar do “Kobe Pro-Wrestling Festival”, maior evento anual da Dragon Gate. Um abraço e fiquem todos com Deus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *